Vida de tomada

05/04/2003 by in category Diálogos, Vida das Coisas tagged as , , , with 0 and 0

Conversando com uma tomada de três pinos.

— Tá maluco, é?
— O que foi?
— Esse plug aí não entra em mim!
— Com não, sempre entrou?
— Pois é! Até que alguém com um pino a menos inventou de colocar um pino a mais em tudo quanto é plug de eletrodoméstico.
— Como assim?
— Olha bem! Esse plug tem três dedos! Antes eram só dois fazendo sinal de heavy metal, agora entrou um fuck you no meio.
— É mesmo! Pra que isso?
— Pra foder com a vida dos outros! Só pode! A pessoa não tem mais o que fazer, vai inventar furo. Faz buraco na camada de ozônio. Fura fila no banco. Agora isso! Tomada com três furos. Falou na televisão que é para evitar choque.
— Evitar choque!? Aqui em casa são duas tomadas em cada quarto, duas no banheiro, quatro na sala, duas no escritório, quatro na cozinha, duas na área de serviço e uma na garagem. Já estou em choque! Se tiver que trocar tudo, é blackout no orçamento.
— Calma! Falou na televisão que tem adaptador!
— Legal! Onde vende? Falou onde?
— Vende em qualquer loja de material elétrico.
— Vou lá comprar então.
— Melhor não. Melhor você esperar alguns meses. Estamos em abril, né? Melhor você esperar até dezembro pelo menos?
— Esperar por que?
— Falou que tem, mas acabou. 
— Puta merda!
— Aproveita que vai esperar até dezembro e pede um adaptador de presente pro papai noel. Só por garantia. Vai que demora mais pra repor o estoque.
— Mas papai noel não existe.
— Que besteira! O que você acha mais absurdo: existir papai noel, bicho papão, fada do dente, monstro do lago Ness, arroz de natal sem uva passa, gelo seco, ou tomada de três pinos?
— Tomada de três pinos!
— Então escreve logo a carta pro papai noel.

Leia mais:
Mama mia africana Uma loja de discos perto de casa estava promovendo pocket shows para aumenta...
Ser Humano Futebol O... William Miller era um garoto de 16 anos. Seu sonho era ser escritor da revis...
Vida de saleiro Conversando com um saleiro. — Sai caralho! — Você está equivocado. Não so...
Espalhe a palavra!

AUTOR


Meu nome é Marcelo Ferrari. Nasci ontem. Quando fiz dez anos, completei dezoito. Tenho um chinelo azul com alça vermelha que não serve para poesia. Escrevo o que a inspiração põe e a expiração tira. Não uso heterônimos, sou usado por eles. Só sei ser sendo, dançar dançando, escrever escrevendo e ferrari ferrariando. Minha literatura não é pá pum e pronto! É pá pum escreve. Pá pum lê. Pá pum edita. Pá pum relê. Pá pum reedita. Pá pum rerelê. Pá pum rereedita. Até que pá puta que pari! Nunca estarei ponto! E pronto! Me imagine tocando violão. Sempre. Ininterruptamente.

        

Scroll Up