ÍNDICE A-Z

C
P

AULA 03 | PENSE ERRADO

15/10/2021 by in category Aulas with 0 and 0

Assim como a arte de pintar não está em encher o pincel de tinta e pincelar o quadro, pois até um macaco pode fazer isso, a arte de escrever, conhecida como literatura, também não está no que você escreve, mas no JEITO como você escreve.

99% das letras das músicas falam de amor. Mesmice absoluta em questão de assunto. Porém, cada letra de música tem um jeito diferente, original, particular de falar sobre o amor. Quando não tem, é uma letra ruim. Quanto mais tem, melhor é a letra da música.

O que diferencia um texto de literatura de um texto não literário também não é a originalidade do assunto, mas a originalidade da literatura. Ou seja, o que diferencia um texto de literatura de um texto não literário, é a originalidade da escrita, o jeito original de escrever.

Então, agora que você já vomitou seu assunto sem se preocupar em COMO escrever, faça exatamente o oposto, se concentre completamente em perceber COMO seu texto está escrito e COMO você pode reescreve-lo para que ganhe criatividade e vire literatura.

Pire o cabeção e erre! Reescreva seu texto buscando encontrar um JEITO ERRADO de pensar o assunto que escolheu escrever. Talvez você não consiga errar. Talvez você tenha se cristalizado demais em algum jeito certo. Faz parte. Mas enquanto você não encontrar sua criatividade, você não terá encontrado sua literatura. Então, se quer mesmo ser um escritor de literatura, só tem um caminho: erre.


EXERCÍCIO 03 | PENSE ERRADO

Reescreva o texto que você escreveu no exercício 02 buscando encontrar um JEITO ERRADO de pensar o assunto que escolheu escrever. Se para isso for preciso jogar fora o primeiro texto e escrever um texto novo, não tenha preguiça, escreva um texto novo.

Exemplo:

Pensando certo: “A poesia está por todos os lados. A natureza é cheia de poesia. Os bichos, as plantas, as flores, os mares são poesia.”

Pensando errado: “Quando as aves falam com as pedras e as rãs com as águas – é de poesia que estão falando.” (Manoel de Barros)

© 2020 · Marcelo Ferrari