Meu nome é Marcelo Ferrari. Nasci ontem. Quando fiz dez anos, completei dezoito. Tenho um chinelo azul com alça vermelha que não serve para poesia. Escrevo o que a inspiração põe e a expiração tira. Não uso heterônimos, sou usado por eles. Só sei ser sendo, dançar dançando, escrever escrevendo e ferrari ferrariando. Minha literatura não é pá pum e pronto! É pá pum escreve. Pá pum lê. Pá pum edita. Pá pum relê. Pá pum reedita. Pá pum rerelê. Pá pum rereedita. Até que pá puta que pari! Nunca estarei ponto! E pronto! Me imagine tocando violão. Sempre. Ininterruptamente.

   

[email protected]

Não escrevo poemas

13/04/2003 by na categoria Poemas tagged as , with 0 and 0

Não escrevo poemas
me descasco concêntrico
feito cozinheira
abrindo cebola.

Não escrevo poemas
tiro a roupa sem pudor
feito gordo
dentro da sauna.

Não escrevo poemas
me entrego ao acaso
feito prostituta
ao próximo cliente.

Não escrevo poemas
resumo meu insumo
feito criança
enchendo bexiga.

Músico no churrasco
Não sei
© 2018 · Marcelo Ferrari