Tag: Pessoa

Afasta de mim esse táxi

26/04/2003 by in category Crônicas tagged as , , , ,

Ligo o MP3 e viajo na ideia de que a vida é ônibus. Uns sobem, outros descem. Fica cheio, vazio, meio-vazio, meio-cheio. Tem japonês, loiro, negro. Cada ponto é final e partida. Tem uma dona gorda na minha frente. Atrás dela, uma criança de colo. Um rapaz sujo de graxa está de pé, ao lado de um […]

0 0 Read more

Aguá e sabão (poema)

26/04/2003 by in category Poemas tagged as , , , ,

Tudo amolece com água e sabão ela diz sem aspas sem trema escrevendo em cada prato um poema. Tudo tem jeito até para o que não tem ela diz embrulhando mamão em papel laminado sem pauta sem margem fazendo de si uma figura de linguagem.

0 0 Read more

Alma gêmea editorial

26/04/2003 by in category Crônicas tagged as , ,

Está em dúvida se encontrou sua alma gêmea? Pergunte ao candidato/a qual é a revista que ele lê. Se Forrest Gump é capaz de conhecer as pessoas pelos sapatos, por que não confiar em quem faz pesquisa de mercado? O cupido agradece. As cartomantes é que não vão gostar. Conheço um rapaz que passou um ano namorando uma loira […]

0 0 Read more

Alma randômica

26/04/2003 by in category Poemas tagged as , , , ,

Nasci ontem. Quando fiz dez anos completei dezoito. Minha adolescência foi dos sete aos noventa e doze. Aos treze játrinta e cinco. Dos onze sete pulei para quinzentose depois paracinquenta vinte. Assim são meus dias enquanto o corpo faz aniversário em linha retaa alma randômica.Por que? Não sei.Só sei que faz e se desfaz e que entre o pulmão que inspira […]

0 0 Read more

Bem aventurado

25/04/2003 by in category Poemas tagged as , , ,

Seu defeito era assim que mesmo na merda via na pedra um triz de capim. Seu defeito era colorido coloridor nariz comprido perna vesga cotovelo sem dor. Seu defeito era dançar danças de salão sapatear lambuzar-se de contradição. Seu defeito era zen olhar além do continente gostar do frio e do quente. Seu defeito era […]

0 0 Read more

Cadê os Caras?

24/04/2003 by in category Crônicas tagged as , , , ,

Cadê os Caras? Não sei! Ninguém sabe! Sei que os Caras estão na política, na religião, na cultura, na pequena e na grande área. Sei que os Caras são uns filhos da puta, que são foda, que não entendem porra nenhuma. Sei que a culpa é dos Caras. Claro! É óbvio que a culpa é […]

0 0 Read more

Carnaval caipira

24/04/2003 by in category Crônicas tagged as , , , , , ,

Donana pega um balde de latão e sai pelo terreiro. Enquanto caminha, vira o balde em posição de tambor e começa a batucar uma folia de reis. As galinhas, hipnotizadas pelo samba caipira, vão surgindo das árvores, das cestas, das moitas e até de outras dimensões. Donana enche o balde com grãos de milho e […]

0 0 Read more

Cata lá no gol

24/04/2003 by in category Músicas tagged as , , , ,

Quando eu era pequeno eu queria jogar futebol marcar muito gol ouvir rock and roll e essas coisas todas de moleque Eu queria driblar o beque imitar o zico chutar de trivela de peito e de bico estufar a rede e ir pra torcida Mas quando começava a partida era aquela vaia meu sonho de […]

0 0 Read more

Cem por certo

24/04/2003 by in category Poemas, Vídeos tagged as , , ,

O certo não sai pela buceta é a cegonha que traz. O certo não usa fraldas não chupa o dedo não mamamamadeira não come cocô não mija na cama. O certo já teve infância mas nunca chegou a ser criança. O certo é zen é punk é pop é rasta é sk8. O certo é […]

0 0 Read more

Compreenção com cedilha

24/04/2003 by in category Crônicas tagged as , , , , ,

Socorro parou em frente a gôndola. Encarou o fetiche de páscoa. Com aquele dinheiro dava para comprar três sacos de feijão. Chumbinho vivia cantando Bob Marley no bar dos sujismundos. Socorro disse que era para o neto. Mentiu. Socorro não sabia ser pagã, nem brincar de boneca. Chumbinho não tinha onde existir. Quando o ovo de páscoa fez “bip”, Socorro sentiu-se […]

0 0 Read more

AUTOR


Meu nome é Marcelo Ferrari. Nasci ontem. Quando fiz dez anos, completei dezoito. Tenho um chinelo azul com alça vermelha que não serve para poesia. Escrevo o que a inspiração põe e a expiração tira. Não uso heterônimos, sou usado por eles. Só sei ser sendo, dançar dançando, escrever escrevendo e ferrari ferrariando. Minha literatura não é pá pum e pronto! É pá pum escreve. Pá pum lê. Pá pum edita. Pá pum relê. Pá pum reedita. Pá pum rerelê. Pá pum rereedita. Até que pá puta que pari! Nunca estarei ponto! E pronto! Me imagine tocando violão. Sempre. Ininterruptamente.

        

Scroll Up