Vitrola

05/04/2003 by in category Poemas tagged as , , with 0 and 0

Quando quero chorar
não choro
ligo a vitrola
ouço cartola.

Quando quero bicar
não bico
ligo a vitrola
ouço chico.

Quando quero não
“ene” “a” “o” “til”
ligo a vitrola
ouço gil.

Quando quero sim
mente sã
ligo a vitrola
ouço djavan.

Quando quero arejar
o tutano
ligo a vitrola
ouço caetano.

Quando quero tudo
sem medida
desligo a vitrola
ouço a vida.

Leia mais:
Tocando violão Me imagine tocando violão. Sempre. Ininterruptamente. Pode ser que não es...
Vida de tomada Conversando com uma tomada de três pinos. — Tá maluco, é? — O que foi? ...
Vida de relógio Conversando com um relógio. — Vou te fazer uma pergunta. — Agora ou ...
Espalhe a palavra!

AUTOR


Meu nome é Marcelo Ferrari. Nasci ontem. Quando fiz dez anos, completei dezoito. Tenho um chinelo azul com alça vermelha que não serve para poesia. Escrevo o que a inspiração põe e a expiração tira. Não uso heterônimos, sou usado por eles. Só sei ser sendo, dançar dançando, escrever escrevendo e ferrari ferrariando. Minha literatura não é pá pum e pronto! É pá pum escreve. Pá pum lê. Pá pum edita. Pá pum relê. Pá pum reedita. Pá pum rerelê. Pá pum rereedita. Até que pá puta que pari! Nunca estarei ponto! E pronto! Me imagine tocando violão. Sempre. Ininterruptamente.

        

Scroll Up