Vida de pasta de dente

05/04/2003 by in category Diálogos, Vida das Coisas, Vídeos tagged as , , , with 0 and 0

Conversando com um tubo de pasta de dente.

— Ooou! Acabou! Não tem mais nada aqui dentro!
— Tem sim que tô vendo!
— Esse restinho não vai sair.
— Tem que sair.
— Esse restinho é tímido que nem restinho de xixi no pinto. Você balança, balança, não adianta. Só sai dentro da cueca.
— Engraçado você!
— Paaaaara de apertar, pô! Tá doendo.
— Desde quando tubo de pasta de dente sente dor?
— Desde quando tubo de pasta de dente fala?
— Já sei o que vou fazer, vi num tutorial do youtube!
— Como assim?
— Falava para usar um alicate!
— Tá loco meu! Alicate???
— São 5 horas da manhã. Tenho que escovar os dentes e ir pro trabalho. Já estou atrasado. Posso ser demitido. Ou vai por bem ou vai por alicate.
— Mas não tem mais nada aqui dentro.
— Vou pegar o alicate então.
— Peeeeera! Vamos conversar.
— Vai colaborar?
— Ok! Aperta com a ponta da unha. Mas vai devagar!
— Beleza!
— Aaaai! Aaaaaaaaai!
— Não falei que ainda tinha pasta ai dentro!
— Isso ai não é pasta, são minhas tripas.
— Engraçado você! 
— Na volta, por favor, passa na farmácia e comprar um tubo novo. Aproveita a promoção da black friday e compra logo uma dúzia.

No dia seguinte, o cara entra no banheiro com um alicate:

— Não acredito que você esqueceu de novo!

Leia mais:
Coitada Coitada! - Coitada por que? Porque o queixo é alpinista porque não ser...
Bolinha de isopor Tentei transpor meu sofrimento para uma bolinha de isopor acreditando ...
Sete estágios da reb... 1º ESTÁGIO Amar você? Nem fodendo! 2º ESTÁGIO Amar você? Vai tomá no cu! ...
Espalhe a palavra!

Marcelo Ferrari


Nasci ontem. Quando fiz dez anos, completei dezoito. Tenho um chinelo azul com alça vermelha que não serve para poesia. Escrevo o que a inspiração põe e a expiração tira. Não uso heterônimos, sou usado por eles. Só sei ser sendo, dançar dançando, escrever escrevendo e ferrari ferrariando. Minha literatura não é pá pum e pronto! É pá pum escreve. Pá pum lê. Pá pum edita. Pá pum relê. Pá pum reedita. Pá pum rerelê. Pá pum rereedita. Até que pá puta que pari! Nunca estarei ponto! E pronto! Me imagine tocando violão. Sempre. Ininterruptamente.

emailferrari@yahoo.com.br
 

    


© 2017 · FERRARIANDO · Marcelo Ferrari
Scroll Up