Vida de pasta de dente

05/04/2003 by in category Diálogos, Vida das Coisas, Vídeos tagged as , , , with 0 and 0

Conversando com um tubo de pasta de dente.

— Ooou! Acabou! Não tem mais nada aqui dentro!
— Tem sim que tô vendo!
— Esse restinho não vai sair.
— Tem que sair.
— Esse restinho é tímido que nem restinho de xixi no pinto. Você balança, balança, não adianta. Só sai dentro da cueca.
— Engraçado você!
— Paaaaara de apertar, pô! Tá doendo.
— Desde quando tubo de pasta de dente sente dor?
— Desde quando tubo de pasta de dente fala?
— Já sei o que vou fazer, vi num tutorial do youtube!
— Como assim?
— Falava para usar um alicate!
— Tá loco meu! Alicate???
— São 5 horas da manhã. Tenho que escovar os dentes e ir pro trabalho. Já estou atrasado. Posso ser demitido. Ou vai por bem ou vai por alicate.
— Mas não tem mais nada aqui dentro.
— Vou pegar o alicate então.
— Peeeeera! Vamos conversar.
— Vai colaborar?
— Ok! Aperta com a ponta da unha. Mas vai devagar!
— Beleza!
— Aaaai! Aaaaaaaaai!
— Não falei que ainda tinha pasta ai dentro!
— Isso ai não é pasta, são minhas tripas.
— Engraçado você! 
— Na volta, por favor, passa na farmácia e comprar um tubo novo. Aproveita a promoção da black friday e compra logo uma dúzia.

No dia seguinte, o cara entra no banheiro com um alicate:

— Não acredito que você esqueceu de novo!

Leia mais:
Cata lá no gol Quando eu era pequeno eu queria jogar futebol marcar muito gol ouvir...
Ela suporta Ela suporta os porres do marido os podres do padre o jogo do bicho a...
Sofrimento monossilá... Sei que você mente quando diz "okei" Sei que você sabe que eu sei  e...
Espalhe a palavra!

Marcelo Ferrari


Nasci ontem. Quando fiz dez anos, completei dezoito. Tenho um chinelo azul com alça vermelha que não serve para poesia. Escrevo o que a inspiração põe e a expiração tira. Não uso heterônimos, sou usado por eles. Só sei ser sendo, dançar dançando, escrever escrevendo e ferrari ferrariando. Minha literatura não é pá pum e pronto! É pá pum escreve. Pá pum lê. Pá pum edita. Pá pum relê. Pá pum reedita. Pá pum rerelê. Pá pum rereedita. Até que pá puta que pari! Nunca estarei ponto! E pronto! Me imagine tocando violão. Sempre. Ininterruptamente.

emailferrari@yahoo.com.br
 

    


© 2017 · FERRARIANDO · Marcelo Ferrari
Scroll Up