Vida de esmalte

05/04/2003 by in category Diálogos, Vida das Coisas, Vídeos tagged as , , with 0 and 0

Conversando com um vidro de esmalte.

— Passa ai, boy magia!
— Como assim?
— Me passa na sua unha!
— Está me estranhando, é?
— Por que?
— Sou homem!
— E dai?
— Daí que homem que é homem não usa esmalte.
— Quem disse?
— Como assim quem disse! 
— É o que estou perguntando. Quem disse que homem que é homem não usa esmalte?
— Como quem disse! Todo homem que é homem sabe.
— E como é que sabe?
— Sabe sabendo ué!
— Sabendo como?
— Sabendo que sabe!
— Não complica, baby, explica! Como é que você sabe que homem que é homem não usa esmalte?
— Ué! Como é que eu sei???
— Isso! Como é que você sabe?
— E que… que… você já viu algum homem usando esmalte?
— V.á.r.i.o.s!
— Aé! Me fala um que eu conheça.
— Quer saber mesmo!
— Vai! Começou… agora fala!
— Seu pai.
— Kkkkkkk… Boa tentativa.
— Não acredita, Baby?
— Não mesmo. Hoje de manhã falei com ele e não vi nada.
— Ele estava de chinelo?
— Não, estava de sapato.
— Então, baby!
— Como assim?
— Ele pinta as unhas dos pés. 
— Meu pai!!!!
— E sua mãe ajuda.
— Minha mãe ajuda!!!
— É… papai magia, Baby! Sai dessa! Evolui. Me passa na sua unha.
— Mas homem que é homem…
— Faz que nem seu pai, começa pintando as unhas dos pés, só você vai ver
— Vamos fazer assim, vou pensar primeiro.
— Pensar no que baby?
— Ué! De que cor vou pintar.
— Aê, Baby, arrasou!

Leia mais:
Quem não é puta leva... Na prática todos fazemos sexo. Pelo menos todos que fazemos, fazemos. Na teo...
Fodeu Fodeu! Fazê o quê se não aconteceu? Fazê o quê se escreveu não leu? ...
Boacumba para curar ... Ingredientes:Sal grosso, um saco plástico (dos grandes), 1 caderno, 1 lápis,...
Espalhe a palavra!

AUTOR


Meu nome é Marcelo Ferrari. Nasci ontem. Quando fiz dez anos, completei dezoito. Tenho um chinelo azul com alça vermelha que não serve para poesia. Escrevo o que a inspiração põe e a expiração tira. Não uso heterônimos, sou usado por eles. Só sei ser sendo, dançar dançando, escrever escrevendo e ferrari ferrariando. Minha literatura não é pá pum e pronto! É pá pum escreve. Pá pum lê. Pá pum edita. Pá pum relê. Pá pum reedita. Pá pum rerelê. Pá pum rereedita. Até que pá puta que pari! Nunca estarei ponto! E pronto! Me imagine tocando violão. Sempre. Ininterruptamente.

        

Scroll Up