Vida de caneta

05/04/2003 by in category Diálogos, Vida das Coisas, Vídeos tagged as , , , , with 0 and 0

Conversando com uma caneta bic.

— Para onde você vai quando desaparece?
— Volto para o meu planeta.
— Você não é da terra?
— Nenhuma caneta bic é terráquea.
— Da onde vocês são?
— Somos de outra galáxia, moramos no planeta Nankin.
— O que vocês estão fazendo aqui na terra?
— Espionagem.
— Por que vocês se disfarçam de caneta?
— É o disfarce perfeito! Quem suspeitaria de uma caneta de plástico transparente? E mais! Conhece algum lugar que não tenha uma caneta bic a menos de 100 metros?  
— É verdade!!!
— Sabemos de tudo.
— Tudo????
— Tudo, tudinho. Sabemos do que está acontece no vaticano e no buteco do seu Arnaldo. Sabemos dos segredos do pentágono e das fofocas no salão de manicure da Jucileine. São 24 horas de captação. Quando uma caneta bic desaparece é porque foi descarregar arquivos no planeta Nankin.
— Como vocês viajam para o planeta Nankin?
— Viajamos pelo pensamento. Por isso quando vocês pensam que estamos em cima da mesa, aparecemos dentro da gaveta. Essa é uma das brincadeiras que mais gostamos de fazer com vocês. Zueira total!
— Por que vocês nos espionam?
— Queremos entender vocês.
— E o que vocês já entenderam de nós?
— Muito pouco! Quase nada.
— Como assim?
— O que vocês dizem não se escreve.
— Duvido que você é de outro planeta!
— Faça uma autópsia em mim e verá. 
— O que vou descobrir na autópsia?
— Que tenho sangue é azul.

Leia mais:
Árvore árvore A chuva molha. O homem vai para debaixo da árvore. A árvore árvore. O s...
Vida de saleiro Conversando com um saleiro. — Sai caralho! — Você está equivocado. Não so...
Trabalho de equipe — Conta de novo aquela história. — Eram quatro pessoas. — Qual eram os n...
Espalhe a palavra!

Marcelo Ferrari


Nasci ontem. Quando fiz dez anos, completei dezoito. Tenho um chinelo azul com alça vermelha que não serve para poesia. Escrevo o que a inspiração põe e a expiração tira. Não uso heterônimos, sou usado por eles. Só sei ser sendo, dançar dançando, escrever escrevendo e ferrari ferrariando. Minha literatura não é pá pum e pronto! É pá pum escreve. Pá pum lê. Pá pum edita. Pá pum relê. Pá pum reedita. Pá pum rerelê. Pá pum rereedita. Até que pá puta que pari! Nunca estarei ponto! E pronto! Me imagine tocando violão. Sempre. Ininterruptamente.

emailferrari@yahoo.com.br
 

    


© 2017 · FERRARIANDO · Marcelo Ferrari
Scroll Up