Vestibular do futuro

05/04/2003 by in category Contos tagged as , , , with 0 and 0

Durante séculos a humanidade sofreu com os malefícios de uma escola meramente educadora. Muitos se empenharam em mudar isso. A mudança aconteceu em 2087. Porém, estranhamente, ainda é preciso prestar vestibular. Por isso estou esperando a prova começar. Todos sabemos que são sempre as mesmas perguntas. Não sabemos quais são, mas sabemos que nossos pais sabem e todos que já prestaram o vestibular sabem. Ninguém conta nada aos calouros. É questão de ética. O coordenador do vestibular entrega os envelopes alaranjados. Abro o meu. São quatro folhas. Na primeira folha está escrito: “Explique o que é ser humano”. Não sei responder. Pulo. Pego a segunda folha. “Qual a pergunta que você mais gostaria que fosse respondida?”. Escrevo a pergunta da primeira folha: “O que é ser humano?”. Pulo para a terceira folha. “Responda sua pergunta”. Pulo novamente. Na quarta folha não tem nada. Está em branco. Devolvo a prova para o coordenador. Ele diz que devo levar a prova comigo, sempre. Saio confuso dali. Chego em casa e meus pais me recebem com uma festa. Digo que não passei no vestibular. Tiro as quatro folhas do bolso e mostro para eles. Meus pais riem e mostram suas folhas para mim.

Leia mais:
Foda-se Se a comida está sem sal (foda-se) Se enfiou o pé na jaca (foda-se) Se...
Fácil e difícil É tão fácil e difícil viver o momento É tão difícil e tão fácil eu s...
Falando grego Minha cabeça põe meu coração em cheque mas meu coração não é de espadas ...
Espalhe a palavra!

AUTOR


Meu nome é Marcelo Ferrari. Nasci ontem. Quando fiz dez anos, completei dezoito. Tenho um chinelo azul com alça vermelha que não serve para poesia. Escrevo o que a inspiração põe e a expiração tira. Não uso heterônimos, sou usado por eles. Só sei ser sendo, dançar dançando, escrever escrevendo e ferrari ferrariando. Minha literatura não é pá pum e pronto! É pá pum escreve. Pá pum lê. Pá pum edita. Pá pum relê. Pá pum reedita. Pá pum rerelê. Pá pum rereedita. Até que pá puta que pari! Nunca estarei ponto! E pronto! Me imagine tocando violão. Sempre. Ininterruptamente.

        

Scroll Up