Usain Bolt na esteira

06/04/2003 by in category Crônicas tagged as , , , , with 0 and 0

Ligo a televisão as 22:20. O mundo parou para ver o mundo correr. Nenhuma novidade. Correr atrás do ouro não é privilégio de atleta olímpico. É rotina social. Corremos atrás do ouro desde que o mundo é mundo. Mas dessa vez a rotina está pintada de ouro. Final olímpica dos 100 metros. Usain Bolt na pista. O homem mais rápido do mundo. Expoente maior da produtividade. Capaz de produzir 500 gramas de ouro em menos de 10 segundos. Antítese absoluta do ócio.

22:25. Festa brasileira acontecendo com pontualidade britânica. Todos os convidados já chegaram. Olimpíadas para Inglês ver. Enquanto os convidados se preparam para van goghar o relógio, me lembro de recente exame cardíaco que fiz. Primeira vez. Exame de esteira. Daqueles que a gente corre com eletrodos grudados no peito. No começo a velocidade da esteira é tranquila e favorável. Aos poucos, o médico que está monitorando o exame, vai aumentando a velocidade.

“Esse é o máximo?”, eu pergunto ao médico, depois de 20 minutos correndo, esbaforido e já quase trançando as pernas. “Você aguenta mais?”, ele pergunta. “Vou tentar!”, eu respondo. Ele aumenta a velocidade. Fica insuportável. Além da alta velocidade a esteira está inclinada. “Esse é o máximo?”, pergunto novamente, com esperanças de chegar ao fim. Vendo meu cansaço e minha inexperiência naquele tipo de exame, o medico me aconselha: “Não tente ganhar da esteira, a esteira sempre vence”.

22:30. O revólver do Olimpo dispara contra Cronos.

E os homens saem correndo atrás do pote de ouro no fim da esteira.

Leia mais:
Humanidade é lixo — A humanidade é um lixo! — diz a voz agressiva e convicta. Olho para trás ...
Evangelho para busca... Ó buscador amado que atravessa mil e uma noites na fantasia de me en...
Vida de porta guarda... Conversando com um porta guardanapos. — Só de boa, einh mano? — O que foi...
Espalhe a palavra!

AUTOR


Meu nome é Marcelo Ferrari. Nasci ontem. Quando fiz dez anos, completei dezoito. Tenho um chinelo azul com alça vermelha que não serve para poesia. Escrevo o que a inspiração põe e a expiração tira. Não uso heterônimos, sou usado por eles. Só sei ser sendo, dançar dançando, escrever escrevendo e ferrari ferrariando. Minha literatura não é pá pum e pronto! É pá pum escreve. Pá pum lê. Pá pum edita. Pá pum relê. Pá pum reedita. Pá pum rerelê. Pá pum rereedita. Até que pá puta que pari! Nunca estarei ponto! E pronto! Me imagine tocando violão. Sempre. Ininterruptamente.

        

Scroll Up