Tag: Tempo

Abismado

26/04/2003 by in category Poemas tagged as , ,

Dia após dia  ele caminhou até a beira do abismo e pulou.  Passo após passo  ele caminhou até a beira do abismo e pulou.  Vez após vez  ele caminhou até a beira do abismo e pulou.  Até que parou.  — Por que parou? — perguntei. — Não tenho mais medo  — ele respondeu.

0 0 Read more

Açúcar e sal

26/04/2003 by in category Músicas tagged as , , ,

Todo amor, todo mar, sobe e desce como tem de ser no mesmo lugar a dor e o prazer paradoxal como açúcar e sal Todo amor, todo rio, corre dia e noite contra a sorte pra morrer no mar de onde partiu paradoxal como açúcar e sal A chuva molha o sol evapora o tempo […]

0 0 Read more

Alma randômica

26/04/2003 by in category Poemas tagged as , , , ,

Nasci ontem. Quando fiz dez anos completei dezoito. Minha adolescência foi dos sete aos noventa e doze. Aos treze játrinta e cinco. Dos onze sete pulei para quinzentose depois paracinquenta vinte. Assim são meus dias enquanto o corpo faz aniversário em linha retaa alma randômica.Por que? Não sei.Só sei que faz e se desfaz e que entre o pulmão que inspira […]

0 0 Read more

Casa onde morava

24/04/2003 by in category Poemas tagged as , , , ,

Não moro mais  na casa onde morava mas a casa onde morava  ainda mora em mim. Não choro mais  na casa onde chorava mas a casa onde chorava  ainda chora em mim. Não demoro mais  na casa onde demorava mas a casa onde demorava  ainda demora em mim. Não oro mais da casa onde orava mas a casa […]

0 0 Read more

Eterno embora

22/04/2003 by in category Poemas tagged as , , , ,

Um dia você vai embora. Todo dia você vai embora  embora você ainda não perceba. Mas um dia você irá acordar e perceber que todo dia você vai embora. E nesse dia embora ainda não seja o dia de você ir embora embora seja mais um dia que você queira apenas e somente que vá […]

0 0 Read more

Fácil e difícil

21/04/2003 by in category Músicas tagged as , , , ,

É tão fácil e difícil viver o momento É tão difícil e tão fácil eu sei, leva um tempo Tem que aprender Tem que amar Tem que sofrer e se queimar É tão fácil e difícil andar passo a passo É tão difícil e tão fácil tão difícil e tão fácil Então pula já do […]

0 0 Read more

Google maps no mp3

20/04/2003 by in category Poemas tagged as , , ,

Daqui para lá se for de barco leva Sonata ao Luar se for de ônibus leva Bolero de Ravel se for de carro engatado na quinta leva nona de Beethoven se for de bicicleta com dez marchas leva uma Calcanhoto quatro Lenines e três Zeca Baleiros se for de trem leva Miltons se for a pé leva Djavarios e Tom Zé.

0 0 Read more

Mastigando agendas

14/04/2003 by in category Crônicas tagged as , , ,

Entrei no ônibus mastigando o futuro. O tempo estava contra, mas o trânsito estava a favor. Nem senti o percurso. Quando levantei para descer do ônibus, encontrei um rosto familiar no corredor. Vacilei por alguns segundos. Podia fingir que eu não era eu, que não estava vendo o que via e que não estava me […]

0 0 Read more

Outra vida

12/04/2003 by in category Músicas tagged as , , ,

Dessa vida só se leva a vida que se leva boa ou ruim, é inevitavelmente assim Nessa vida só se colhe a vida que se escolhe sorte ou azar, é só decidir estar aonde o pé estiver. Essa vida só conspira pra quem se atira do trampolim, é inevitavelmente assim Essa vida sempre chega no […]

0 0 Read more

Pá pum próximo!

11/04/2003 by in category Crônicas tagged as , , ,

Usávamos capacetes e roupas de chuva. Parecíamos astronautas. Ninguém reparava. Éramos motoboys, éramos a rotina do cartório, éramos o lado de fora do balcão. O lado de dentro eram os robôs pá-pum-próximo. Documento. Pá-pum-próximo. Documento. Pá-pum-próximo. Documento. Pá-pum-próximo. Documento. Pá-pum-próximo. Documento. Pá-pum-próximo…. Haviam exceções, pessoas que pareciam enxergar na repetição de mesas, papéis, carimbos e capacetes, algum tipo de novidade invisível. Chegavam sorridentes, perfumadas […]

0 0 Read more
12

Marcelo Ferrari


Nasci ontem. Quando fiz dez anos, completei dezoito. Tenho um chinelo azul com alça vermelha que não serve para poesia. Escrevo o que a inspiração põe e a expiração tira. Não uso heterônimos, sou usado por eles. Só sei ser sendo, dançar dançando, escrever escrevendo e ferrari ferrariando. Minha literatura não é pá pum e pronto! É pá pum escreve. Pá pum lê. Pá pum edita. Pá pum relê. Pá pum reedita. Pá pum rerelê. Pá pum rereedita. Até que pá puta que pari! Nunca estarei ponto! E pronto! Me imagine tocando violão. Sempre. Ininterruptamente.

emailferrari@yahoo.com.br
 

    


© 2017 · FERRARIANDO · Marcelo Ferrari
Scroll Up