ÍNDICE (A-Z)

Tag: Cidade

Afasta de mim esse táxi

26/04/2003 by in category Crônicas tagged as , , , ,

Olho pela janela do táxi e vejo um ônibus. Viajo na ideia de que a vida é um coletivo de almas. Uns sobem, outros descem, fica cheio, vazio, meio-vazio, meio-cheio e cada ponto é final e partida. Tem branco, negro, japonês, loiro, magro, alto, gordo, baixo, criança, velho, empregado e patrão. Raimundos e fundos, Veras e esperas, […]

0 0 Read more

Big Belém

25/04/2003 by in category Contos tagged as , , , , ,

O sino da catedral toca como em ringue de boxe. Azul contra vermelho. Direita contra esquerda. Certo contra errado. O bem contra o mal. Multidão fazendo aposta. Urrando. Mas os lutadores não escutam nada. Estão usando tampões nos ouvidos. Lutadores lutam. Socos, socos, loucos… De repente, o lutador vermelho é golpeado na cabeça e perde os tampões. Ele começa […]

0 0 Read more

Casa onde morava

24/04/2003 by in category Poemas tagged as , , , ,

Não moro mais  na casa onde morava mas a casa onde morava  ainda mora em mim. Não choro mais  na casa onde chorava mas a casa onde chorava  ainda chora em mim. Não demoro mais  na casa onde demorava mas a casa onde demorava  ainda demora em mim. Não oro mais da casa onde orava mas a casa […]

0 0 Read more

Caso do sanfoneiro por acaso

24/04/2003 by in category Crônicas tagged as , ,

Olhei pelo vidro e por acaso vi um sanfoneiro chegando. Por acaso ele era cego. Se sentou numa caixa de madeira, colocou o chapéu na frente e por acaso começou a tocar uma de minhas músicas favoritas de Luiz Gonzaga, Asa Branca. Quando saí do banco, fui colocar algumas moedas no chapéu do sanfoneiro, mas […]

0 0 Read more

Homem avestruz

19/04/2003 by in category Crônicas tagged as , , , ,

Adoro artistas de rua. Me lembro de um chamado Homem Avestruz, que vendia uma pomada de peixe-elétrico que servia para passar em tudo, até no vestibular! Avestruz engolia relógios, garfos, cacos de vidro, tesouras, e, no ponto alto do show, engolia um cadeado fechado e depois o retirava aberto do estômago. Certa vez, passei pela […]

0 0 Read more

Humanidade é lixo

19/04/2003 by in category Crônicas tagged as , , , ,

— A humanidade é um lixo! — diz a voz agressiva e convicta. Olho para trás a fim de reconhecer o autor e tentar entender o motivo. — A humanidade é um lixo! — ele repete. Investigo o dono da frase de cima a baixo. Sua pele é encardida. Usa um bigode de bangue-bangue totalmente […]

0 0 Read more

Pá pum próximo!

11/04/2003 by in category Crônicas tagged as , , ,

Usávamos capacetes e roupas de chuva. Parecíamos astronautas. Ninguém reparava. Éramos motoboys, éramos a rotina do cartório, éramos o lado de fora do balcão. O lado de dentro eram os robôs pá-pum-próximo. Documento. Pá-pum-próximo. Documento. Pá-pum-próximo. Documento. Pá-pum-próximo. Documento. Pá-pum-próximo. Documento. Pá-pum-próximo…. Haviam exceções, pessoas que pareciam enxergar na repetição de mesas, papéis, carimbos e capacetes, algum tipo de novidade invisível. Chegavam sorridentes, perfumadas […]

0 0 Read more

Solidão e Muvuca

08/04/2003 by in category Crônicas tagged as , , , ,

Ser humano só faz sentido junto e misturado. Por isso reclamamos da poluição, da enchente, do trânsito, da violência, mas não saímos da muvuca. Gostamos mesmo é de bafafá. Somos favelados por natureza, independente de classe social.  Adoro muvuca. É a diversidade que cria e alimenta o escritor em mim. Sem muvuca eu não teria […]

0 0 Read more

Sovaco do Cristo

08/04/2003 by in category Crônicas tagged as , , , ,

Fui no Cristo Redentor pela segunda vez. Não me lembrava o tanto que é preciso subir para chegar no céu, nem do inferno que é preciso atravessar. Sobe de van. Desembarca. Pega outra van. Desembarca. Sobe de escada. E o sol? Tava foda! Pensei em escrever escaldante, mas tava foda mesmo. Rio 40 graus. Era […]

0 0 Read more
© 2017 · Marcelo Ferrari