Somos todos vampiros

08/04/2003 by in category Crônicas tagged as , , , , with 0 and 0

Queremos sangue! Somos todos vampiros!

Nossa gênese é sanguínea. No principio era o sangue. Caim sangrou Abel. Deus pediu para Abraão sangrar seu filho. Jesus tentou lançar o movimento hippie fora de época, e foi mais sangrado do que bife. Aliás, até hoje vamos na igreja beber o sangue dele.

Somos criaturas amotinadas com marretas. Não sabemos criar, então, destruímos.

Nossa sede de sangue é sede de destruição. Quando o centro avante cria o drible, o zagueiro esquece a bola e, com sangue nos olhos, dispara um chute na canela. O meião branco fica vermelho. Destruição executada.

Felicidade não dá ibope.

Amor rima com dor, calor, furor, rubor. Amamos o sangue.

Claro que não podemos admitir nossa tara em público. Muito menos saciá-la. Leis racionais estão sempre prontas para sangrar os infratores. O que fazer? 

Sangue virtual. 

Ao invés de hemácias e glóbulos brancos: bytes e pixels. Não tem a mesma sinestesia, mas facilita demais a vida, ou melhor, a morte. Ninguém vai preso e podemos sangrar uns aos outros via internet.

Sangue 24 horas e online. Se há sangue rolando em alguma parte do mundo, seja sangue físico, moral, psicológico ou afetivo, podemos ver, ouvir, curtir e compartilhar. 

Eu sei! Desconsiderei o lado positivo da convivência humana. 

Se existe mesmo, então, me perdoem.

Leia mais:
Sim pra vida Se for escalada, se for descida se for mar de rosas, se for capim para...
Solidão e Muvuca Reclamamos da poluição, da enchente, do trânsito, da violência, mas não saím...
Pecado de poeta Não se envaideça a mão também escreve o poema a narina, o fígado o ...
Espalhe a palavra!

Marcelo Ferrari


Nasci ontem. Quando fiz dez anos, completei dezoito. Tenho um chinelo azul com alça vermelha que não serve para poesia. Escrevo o que a inspiração põe e a expiração tira. Não uso heterônimos, sou usado por eles. Só sei ser sendo, dançar dançando, escrever escrevendo e ferrari ferrariando. Minha literatura não é pá pum e pronto! É pá pum escreve. Pá pum lê. Pá pum edita. Pá pum relê. Pá pum reedita. Pá pum rerelê. Pá pum rereedita. Até que pá puta que pari! Nunca estarei ponto! E pronto! Me imagine tocando violão. Sempre. Ininterruptamente.

emailferrari@yahoo.com.br
 

    


© 2017 · FERRARIANDO · Marcelo Ferrari
Scroll Up