Ser Humano Futebol Bico

08/04/2003 by in category Crônicas, SHFC tagged as , , with 0 and 0

Primeiramente, toca a bola Matheus!

Bem, escrevi uma crônica falando do racha de sexta e o povo do racha de quarta ficou com ciúmes. Exigiu representatividade. Ainda bem que semana só tem sete dias. Vamulá cobrar mais um tiro de meta. Assunto não falta. Mas falar do que especificamente? Tem várias maneiras de chutar uma bola e várias maneiras de descrever um racha. Péra! Eu disse chutar uma bola? Já sei! Vou falar do Chico.

O racha de quarta é o racha do Chico. Pronto, já falei tudo! O que? Você não conhece o Chico? Vou descrever ele para você. Na primeira vez que fui participar do racha de quarta, ele me pediu para pegar uma tampinha dentro de um saco de pano. Sacou que tipo de cara é o Chico? É do tipo que joga futebol de tampinha e não futebol de panela. Nem tinha visto o Chico jogar ainda e ele já tinha feito um gol no meu conceito. 

“O que você faz?”, Chico me perguntou nesse dia. Minha resposta sincera não é compreensível: “eu vivo”. Afinal, o que mais tem para fazer? Mas não ignoro os protocolos sociais nem a força gravitacional deles. Sabia que ele se referia a profissão. O problema é que não tenho uma. Pelo menos não uma que sirva para responder de bate pronto. Como no futebol, improvisei: “Sou escritor”. E foi assim que Chico, rotineiramente, começou a fazer uma brincadeira comigo após cada gol seu: “Aí escritor! Coloca esse gol no seu livrolá!”.

Chico dribla e chuta muito bem. Aliás, seu jeito de chutar foi o que me inspirou a escrever essa crônica que vou incluir na série Ser Humano Futebol Clube. Chico chuta de bico. Não qualquer bico. Bico no canto. Quase sempre raspando a trave. Pontaria de franco atirador. Outro dia comentaram que esse é o segredo dele. Para mim, não é segredo, é o Chico tal e qual, explícito. Chico é gol de bico. Sem chute de bico o Chico fica chique. Daí descaracteriza o cara. A chiquesa de seus gols, não é peito de pé, nem peito de peru: é arroz com dedão.

Pronto! Já falei o que acho mais representativo do racha de quarta. Espero com isso ter colocado no livro pelo menos metade dos gols que o Chico já fez e me pediu para transformar em palavras. Espero também ter colaborado para deixar maiúscula uma habilidade futebolística que é considerada minúscula.

E para terminar com representatividade máxima, claro:

Toca a bola Matheus!

Relacionados
© 2017 · Marcelo Ferrari