Perdoeu

11/04/2003 by in category Poemas tagged as , , , with 0 and 0

Você disse que eu
não abri a porta do carro
não pisquei feito vaga-lume
não reparei no esmalte
não me excitei com o cheiro do perfume
e por isso doeu.

Me perdoe por ter
machucado você
sendo eu.

Você disse que eu
não paguei o cinema
não fui super, mega, ultra
não li sua cabeça
não fiz dez por cento do kama sutra
e por isso doeu.

Me perdoe por ter
machucado você
sendo eu.

Você disse que eu
fui egoísta
machista e pedra-fria
que não conjuguei o verbo
na primeira pessoa do plural
não te amei do jeito que queria
e por isso doeu.

Me perdoe por ter
machucado você
sendo eu.

Leia mais:
Tributo da tribo cantamos em bloco em loco em coro estamos a começos a meiosafinsa sim afinid...
Mantra do meditador Abri a porta e entrei no nariz latejante. Virei nariz. Ao invés da dor dimi...
Cata lá no gol Quando eu era pequeno eu queria jogar futebol marcar muito gol ouvir...
Espalhe a palavra!

AUTOR


Meu nome é Marcelo Ferrari. Nasci ontem. Quando fiz dez anos, completei dezoito. Tenho um chinelo azul com alça vermelha que não serve para poesia. Escrevo o que a inspiração põe e a expiração tira. Não uso heterônimos, sou usado por eles. Só sei ser sendo, dançar dançando, escrever escrevendo e ferrari ferrariando. Minha literatura não é pá pum e pronto! É pá pum escreve. Pá pum lê. Pá pum edita. Pá pum relê. Pá pum reedita. Pá pum rerelê. Pá pum rereedita. Até que pá puta que pari! Nunca estarei ponto! E pronto! Me imagine tocando violão. Sempre. Ininterruptamente.

        

Scroll Up