Ninguém acreditava

13/04/2003 by in category Poemas tagged as , with 0 and 0

Ninguém acreditava!
O delegado fez pouco caso.
O guarda de trânsito fez fusquinha.
O confeiteiro fez cu doce.
A telefonista achou que era trote.

Ninguém acreditava!
A samambaia despencou de rir.
O trevo só tinha duas folhas.
O cravo brigou com a rosa.
O coqueiro fez coco.

Ninguém acreditava!
A cadeira cruzou as pernas.
A mesa cruzou as pernas.
A escrivaninha cruzou as pernas.
A penteadeira cruzou as pernas.

Ninguém acreditava!
A geladeira foi abaixo de zero.
O fogão jogou a batata quente.
O bule evaporou.
A colher não era de chá.

Ninguém acreditava!
Senão ele que conseguiu.
Senão ele que conseguiu.
Senão ele que conseguiu três vezes
para o espanto de todos.

Relacionados