Batatinha quando não nasce

25/04/2003 by in category Poemas tagged as , , , with 0 and 0

Tenho um chinelo azul
com alça vermelha
que não serve para poesia.
O problema não é azul.
O problema não é vermelho.
O problema é serventia
que diz que chinelo
só serve pá pô pé
que diz que coador
só serve pá pô pó
que diz o quê pó de
e não pó de
pô na poesia.
Pé de chinelo:
ene-a-o-til.
Pé de chinelo
era livro 
e se quebrou.
O amor que
batatinha
espalha ramas
pelo chão.

Leia mais:
Boacumba para curar ... Ingredientes:Sal grosso, um saco plástico (dos grandes), 1 caderno, 1 lápis,...
Baile de máscaras O homem com máscara de empresário sai pela rua com os vidros do carro fech...
Google maps no mp3 Daqui para lá se for de barco leva Sonata ao Luar se for de ônibus l...
Espalhe a palavra!

Marcelo Ferrari


Nasci ontem. Quando fiz dez anos, completei dezoito. Tenho um chinelo azul com alça vermelha que não serve para poesia. Escrevo o que a inspiração põe e a expiração tira. Não uso heterônimos, sou usado por eles. Só sei ser sendo, dançar dançando, escrever escrevendo e ferrari ferrariando. Minha literatura não é pá pum e pronto! É pá pum escreve. Pá pum lê. Pá pum edita. Pá pum relê. Pá pum reedita. Pá pum rerelê. Pá pum rereedita. Até que pá puta que pari! Nunca estarei ponto! E pronto! Me imagine tocando violão. Sempre. Ininterruptamente.

emailferrari@yahoo.com.br
 

    


© 2017 · FERRARIANDO · Marcelo Ferrari
Scroll Up