Abismado

26/04/2003 by in category Poemas tagged as , , with 0 and 0

Dia após dia 
ele caminhou
até a beira do abismo
e pulou. 
Passo após passo 
ele caminhou
até a beira do abismo
e pulou. 
Vez após vez 
ele caminhou
até a beira do abismo
e pulou. 
Até que parou. 
— Por que parou?
— perguntei.
— Não tenho mais medo 
— ele respondeu.

Leia mais:
Afasta de mim esse t... Ligo o MP3 e viajo na ideia de que a vida é ônibus. Uns sobem, outros descem...
Eu beijei o pé do pa... No oco da minha cabeça tem um Google tradutor. No pulso do meu coração tem u...
Nimim Eu caibo nimime me bastocomeço, meio e fimnota e compasso.Eu caibo nimime me...
Espalhe a palavra!

AUTOR


Meu nome é Marcelo Ferrari. Nasci ontem. Quando fiz dez anos, completei dezoito. Tenho um chinelo azul com alça vermelha que não serve para poesia. Escrevo o que a inspiração põe e a expiração tira. Não uso heterônimos, sou usado por eles. Só sei ser sendo, dançar dançando, escrever escrevendo e ferrari ferrariando. Minha literatura não é pá pum e pronto! É pá pum escreve. Pá pum lê. Pá pum edita. Pá pum relê. Pá pum reedita. Pá pum rerelê. Pá pum rereedita. Até que pá puta que pari! Nunca estarei ponto! E pronto! Me imagine tocando violão. Sempre. Ininterruptamente.

        

Scroll Up